Bota no Boato
segunda-feira, janeiro 31, 2005
 

Posted by Hello
 
SEU ESTE. SEU AQUELE.
Se há coisa que não suportamos ouvir acerca de nós, são as impressões menos simpáticas de raíz provocadora oriundas de bocas que não a nossa (que nos compreende tão bem...).
O insulto cai-nos como uma azia prolongada provocada pela ingestão lenta de uma toranja ...inteira.
A sua acidez é crescente consoante o peso de verdade que nele resistimos reconhecer, principalmente se formos atacados por pessoas que até admiramos ...ou melhor, admirávamos...! E parece que ninguém está imune a levar uma ou outra afronta de alguém.
Eles que o digam...

ANDY WARHOL
"O único génio com um QI de 60."
Gore Vidal


BEATLES
"Merdinhas mal comportadas."
Noel Coward

BOY GEORGE
"Boy George é tudo o que a Inglaterra necessitava: outro paneleiro que não se sabe vestir."
Joan Rivers

AÇOREANOS
"A população é eminentemente portuguesa, quer dizer que ela é lenta, pobre, indolente, apática e preguiçosa."
Mark Twain

CATHERINE DENEUVE
"Catherine Deneuve é o homem que eu sempre desejei ser."
Gerard Depardieu

CHARLIE CHAPLIN
"Eu desprezo Chaplin. Eu penso que era um maricas. Tão afectado. Tão inglês - no pior sentido da palavra. Quero apenas chegar-me ao ecrã e dar um murro naquele filho da puta. "
Tony Hendra

CLARK GABLE
"Se lhe disséssemos «Olá, Clark, como estás?», entupia."
Ava Gardner

CRÍTICOS
"Os críticos enjoam-me. Não fazem a ponta de um corno."
Miles Davis

"O símbolo dos críticos devia ser o besouro; ele põe os seus ovos na bosta de outro, porque de outra forma não os poderia chocar."
Mark Twain

EDGAR ALLAN POE
"Uma espécie não masculina de homem, cuja vida amorosa parece ter-se reduzido em grande parte a chorar em colos e a brincar ao tímido."
W. H. Auden

ELIZABETH TAYLOR
"Se ela á gorda? A sua comida favorita: actores secundários."
Joan Rivers

ELVIS PRESLEY
"Aquela cara de gelado de baunilha meio derretido."
Heinrich Heine

FAMÍLIA REAL INGLESA
"Que súcia mais miserável e convencida são os meus parentes. Nunca se viu uma cambada tão gasta e usada de caquéticos, em que a maior parte se tornou." (Carta para Wallis Simpson)
Duque de Windsor

FIDEL CASTRO
"Um Robin dos Bosques barbudo."
Claude Roy

FRED ASTAIRE
"A maior aproximação que já se conseguiu de se ter um Rato Mickey humano."
Graham Greene

GERAÇÃO
"Sim, senhor, o meu pai era mulato, o meu avô negro e o meu bisavô macaco. A minha geração começou onde a sua acabou." (Para um insolente que o tinha apelidado de negro)
Alexandre Dumas

HENRI MATISSE
"Matisse: o triunfo do gosto burguês e da promiscuidade."
Salvador Dali

HITLER
"A aparência escura tinha uma característica fungóide e os famosos olhos hipnóticos encontraram-se com os meus e pareciam sem vida, olhos coloridos e mortos. Para a estúpida madeixa de cabelo já eu estava preparada, mas da pequenez do seu occipúcio não estava à espera. O físico, no seu conjunto, era ignóbil."
Diana Cooper

IDIOTAS
"Todo o idiota gosta de se ouvir a zurrar."
Thomas Fuller

INGLESES
"Malditos sejam os danados porcos de ossos gelatinosos, os viscosos, os invertebrados inchados e insinuantes, os miseráveis sodomitas fétidos, os ardentes pederastas, os chorões babando-se, perturbando-se, paralíticos, o bando fraco que fez a Inglaterra de hoje. Eles têm clara de ovo nas veias e a sua langonha é tão aguada que é um milagre que se possam reproduzir. Porquê, porquê, porque nasci eu em Inglaterra!" (Quando um editor lhe recusou a publicação do seu manuscrito de Sons And Lovers)
D.H. Lawrence

JAZZ
"Jazz: música inventada para a tortura de imbecis."
Henry Van Dyke

JEAN PAUL SARTRE
"Satre: um vegetariano que só gosta de carne crua."
George Perros

LE CORBUSIER
" O arquitecto masoquista e protestante Le Corbusier que é, como se diz, o inventor da arquitectura de auto-punição."
Salvador Dali

MARILYN MONROE
"Um aspirador com mamilos."
Otto Preminger

MONA LISA
"Ela tem o sorriso de uma mulher que acabou de jantar o marido."
Lawrence Durrel

MULHER
"Só há duas espécies de mulheres: deusas e capachos."
Picasso

"As cinco piores doenças que afligem a mulher são a indocilidade, o descontentamento, a arte de espalhar calúnias, o ciúme e a estupidez."
Manual Confucionista

MUSSOLINI
"Este chacal surrado está a brincar ao lado do tigre alemão."
" O César de pechisbeque de Itália."
Churchill

NAPOLEÃO I
"Napoleão foi uma anedota má que deixou de o ser por ter sido bem contada."
Jean Cocteau

NOVA IORQUE
"Não é Meca, apenas cheira como se fosse."
Neil Simon

PLATÃO
"Platão é um chato."
Nietzsche

PORTUGUESAS
"As francesas seguem a moda como o cão segue o dono; as portuguesas, como o cego segue o cão."
H. Brunswick

PRINCE
"Bambi com testosterona."
En Gleiberman

RELIGIOSO
"Depois de estar em contacto com um homem religioso, sinto sempre que tenho de lavar as mãos."
Nietzsche

SÓCRATES
"Quanto mais o leio menos admirado fico que o tenham envenenado."
Thomas Macaulay

TRUMAN CAPOTE
"Ele tinha talento mas não fazia dele grande coisa."
SImone de Beauvoir

YOKO ONO
"A sua voz soa como uma águia a ser coberta."
Ralph Novak


Já cá não está quem escreveu!


segunda-feira, dezembro 13, 2004
 

Posted by Hello
 
CONSIDERAÇÕES SOBRE OUTRAS FORÇAS
Se me encontrasses aqui ias estranhar. Eu conheço-te. Quando não concordas com o rumo que os corpos levam espaço fora ficas tensa e rígida e fixas melhor o teu corpo no lugar onde estás, cravando os dedos dos pés no chão, como se nos quisesses dar o exemplo de como assentar bem os pés na terra.
Irias logo querer saber: -Mas porquê assim...suspenso? Isso tem mesmo de ser?

Eu posso explicar. Eu sou um fora-da-lei... um fora das leis da gravidade...
Gosto de a ter a meu favor e flutuar sobre a urgência dos compromissos. Tirar o pé do chão e eliminar a partir daí todas as coincidências que nele viriam incidir.
Quantas vezes me aconteceu pela noite ir à janela ouvir a conversa complexa de cima da cidade, essa sim interessava-me, entre o espaço e o planeta terra. Uma realidade infinita cúmplice com o que se passava cá em baixo, de onde me arriscava a adivinhar a hora em que a vizinha saía...
Às um quarto para dez deixava-se passear pelo cigarro nas ruas iluminadas, só pelas iluminadas, balançando o passo porque assim chutava os problemas...
Às vezes, quando soprava o fumo olhava para o céu.
A gente deve é ser persistente e o resto é paisagem...!
Mal sabia ela que enquanto fixava os sapatos que percorriam o alcatrão menos nítido, a paisagem já tinha o destino marcado. As margens de um rio que ela não via comprimiam-se para o tornar violento e a chuva que estaria para vir já tinha sido há muito pensada por Eles (os que mandam na paisagem) para, a partir daí gerar uma infinidade de acontecimentos que se reproduziriam em respectivas consequências.
O meu previsto medo do previsto acabou por chegar e confirmar o fim de tudo. Tudo o que até então pensava não ter fim mas sim uma continuidade que se ia manifestando com o tempo, surpreendendo ao dobrar da esquina... E as coisas apareciam, materializavam-se, tornavam-se cada vez mais belas e completas mas desejadamente inacabadas....
E então o melhor de ti já não vinha aí porque tu acabaste. A minha vizinha também.
E daqui de cima as histórias ouvem-se para sempre e a luz vem de todos os lados alternada porque as estrelas são infinitas.

sábado, novembro 20, 2004
 
"EU QUERO DIZER AGORA O OPOSTO DO QUE EU DISSE ANTES"

domingo, novembro 14, 2004
 
A Porta



Houve um dia, aqui à dias, como outro dia qualquer, em que andava eu, de noite, transeunte nas ruas que se entranham no músculo da cidade para os lados do marquês de pombal. Tudo estava normal... pouca gente, apressada pela escuridão de carácter de determinados recantos, e outra pouca gente que, de tempos a tempos, pingava em táxis para as portas forradas de néon.. fluorscente e irremediavél néon do José de Guimarães, do Caetano que o realçou musicalmente e sem nome. Com o sotaque estranho das vozes a fugir no vento das minhas costas, passado para segundo ou terceiro plano, a atenção foca-se agora naquela unica porta - Será que é uma porta? - que é em tudo semelhante às outras mas parece fugir das ruas, do movimento e evadir-se para o recanto mais escuro deixando apagados ou até inexistentes os neóns ou quaisquer outras publicidades. Não há gente nem táxis, não há sotaque nem sequer vento. Há uma luz e uma porta ou melhor há uma porta e uma luz. As vozes impercéptiveis, longínquas, que ficaram para trás, começam a tornar-se estranhamente confortáveis enquanto, num disfarçado receio, sem alteração do ritmo do passo, avanço para a porta e lhe noto os contornos.
Antecedem-se-lhe uns quantos degraus..sei que existem mas contudo nem me passou pela cabeça contá-los. A ombreira da porta que noto agora ser de madeira, incute em mim a antagonia estranha do querer ficar e fugir. A mão numa dança trémula entra numa investida arrojada, quer seja para bater no que seria um "noc noc" muito frágil, ou para a puxar de uma vez só, para mim. - "É noite e é certamente um bar decrépito com recheio de cinquentões frustrados e adornado por duas ou com sorte três prostitutas tristes e desleixadas, miradas sem descanso por todos os homens, cansadas e gastas demais para trabalhar.." - Não sabia eu o que me esperava quando optei pela segunda hipótese.

Abri a porta e o que vi arragaçou-me a pele do corpo...

1/3
segunda-feira, outubro 25, 2004
 
WC
Uma das coisas que mais me faz impressão é chegar ao pé de uma casa de banho pública e deparar-me com uma fila de 10/15 pessoas. Ora, uma pessoa já vai com aquela vontade e quando de repente se vê confrontando com aquela situação, desespera de certa forma. A alternativa é esperar...fazer um certo sacrificio...pensar no amanhã. Passam-se ai uns 5/10 minutos, e já é quase a nossa vez...quando aparece uma pessoa ao nosso lado, tipo "vou passar á tua frente e nem vais notar! eh, eh, eh!". Mas, não se pode ser parvo nestes situações e lançasse logo o olhar "relaxa que eu e mais uns tantos estamos á tua frente! Portanto, calminha". Ao entrar na tão aguardada casa-de-banho, reparo que, se calhar, não valeu a pena esperar tanto tempo...um chão que é uma poça de lama, em que mais um bocado tinhamos de andar ali de braçadeiras...enfim...caminho para o urinol...mas reparo que pelo menos só um pouco de privacidade é coisa que não existe...pois a fila para a casa de banho já entra dentro desta. Para ajudar á festa a luz começa a falhar...apaga-se, acende-se, apaga-se, acende-se. A única hipótese é pensar primitivamente...como deve ser sempre nestas siuações, pois agradando-nos ou não...não existe outra alternativa. Don´t worry about a thing, cause every litlle thing it's gonna be alright!

segunda-feira, outubro 11, 2004
 
A ca(u)sa laranjada (parabéns a vocês)
Aqui do vão descaído desta minha nova casa de providência felicito, seja com sinais de luzes ou de fumo, a velha prostituta da casa em frente, mais velha ainda, toda ela, descaída, podre, putrefacta . A empena torta como o perfil da dona, a ombreira da porta já em manifesta ruína como a cara pontapeada da sua principal meretriz e rainha. Um ano de tangos imundos nos lençois e a colecção de nódoas de interesse difícil na alcatifa.. A saliva de todos gasta nessa mesma boca, voz rouca da qual ja fui corda. Parabéns neste primeiro ano cheio de gente e nesta data concreta em que, curiosamente, eu que fui perna ou braço ou mão ou mama, me desmembrei ou fui decepado e enviado, enrolado, em mortalhas de linho que mais podiam ser cantigas, com a devida pompa e amizade, para este novo abrigo onde o que era antes um varredor se tornou agora mito. O grito gemido mexido com o pó onde os ácaros tanto dançam, continua a caçar furtivamente rajadas de ar e a agradar-me a garganta e os ouvidos.

Aceno-vos daqui da janela da frente
-
Ordeno-vos daqui, como cliente..
-
sem pudor
mas com suor e de repente:

-Façam-no sempre!
-
façam mal e porcamente,
-
façam sem nunca encarar de frente
-
façam-no incessantemente..
-
mas que o bordel conscientemente,
-
continue a foder todo o tipo de gente!


Juan Belfo



quinta-feira, outubro 07, 2004
 
O entardecer
Após 5 kilómetros percorridos com muita conversa, eis que chegamos á igreja. Ao parar o carro, retomam os flashes da noite anterior...encontro-me numa discoteca, é com alguma dificuldade que vejo alguma coisa pois as luzes incadeavam, mas consigo ver um bar...vejo algumas mulheres á minha volta...vejo o Luís...acordo deste transe com ele a agarrar-me:
- Então que se passou? Assustaste-me por momentos! - exclamou Luís
-Não sei o que se passa...não consigo ter uma imagem nítida da noite passada, só fragmentos. - disse
- Vá...tens um casamento á tua espera!
Apressei-me a sair do carro, e a encaminhar-me para as escadas compridas e largas da igreja, até k reparo k o Luís não vinha ao meu lado. "Deve ter ido estacionar o carro", pensei, e prossegui. Á porta da igreija, vejo o meu padrinho, o Miguel, que não parecia muito contente:
- Então, Pedro? Normalmente, é o noivo que espera pela noiva e não o contrário!
- Pois...e se não fosse o Luís, não havia mesmo casamento. - respondi
- O quê? Impossível - enfatizou Miguel
- Impossível...porquê?
- Tás-te a sentir bem? O Luís já morreu á 2 anos!


(to be continued)



Powered by Blogger